e

pass

terça-feira, 7 de junho de 2011

Texto discurso direto


A vidraça
      
       ___ Oi, dona Laura!
         ____ Oi, Zezinho!
         ____ Dona Laura, eu preciso de um favor.
         ____ Pois não.
         ____ Sabe, o que é? Preciso entrar em sua casa. Quer dizer no seu quintal.É para apanhar minha bola que caiu lá.
         ____Ah, foi?
         ___ Foi. E aconteceu um pequeno acidente.
         ___ Acidente?
         ___ Ao cair, sem querer, minha bola acertou sua vidraça nos fundos, dona Laura. E quebrou.
         ___ Minha vidraça, Zezinho?
         ___ Mas pode ter certeza que foi sem querer. Minha bola não costuma fazer essas coisas.
         ___ Sem querer, não foi?
         ___ Sei como a senhora deve estar sentindo, dona Laura. Posso pegar minha bola?
         ___ Não. Você só pega minha bola depois que seus pais pagarem minha vidraça.
         ___ Não precisa envolver meus pais nessa história, dona Laura. Eu mesmo vou pagar a vidraça.
         ___ Você?
         ___Vou. Mas antes preciso pegar a bola.
         ___ De jeito nenhum. A bola não sai daqui, enquanto você não pagar a vidraça.
         ___ Tem que sair, dona Laura.
         ___ Não sai.
         ___ Então não posso pagar a vidraça.
         ___ Essa eu não entendi, Zezinho.
         ___ Para pagar sua vidraça, dona Laura, vou ter que vender minha bola.


                                                                                Luiz Pimentel.


7 comentários :

Postar um comentário

shoptime

shoptime

shoptime